As Doze Tradições do Nar-Anon

 

Estas orientações constituem os meios para incentivar a harmonia e o crescimento dentro dos Grupos Nar-Anon e dentro da irmandade mundial como um todo. A nossa experiência de Grupo sugere que a nossa unidade depende da nossa adesão a estas TRADIÇÕES.

 

TRADIÇÃO UM - Nosso bem-estar comum deveria vir em primeiro lugar; o progresso pessoal do maior número de membros depende da unidade.

TRADIÇÃO DOIS - Para nosso propósito de grupo há somente uma autoridade – um Deus amoroso que pode Se manifestar em nossa consciência de Grupo. Nossos líderes são apenas servidores de confiança; eles não governam.

 

TRADIÇÃO TRÊS - Os parentes de adictos, quando se reúnem para prestar ajuda uns aos outros, podem chamar-se Grupo Familiar Nar-Anon, desde que, como Grupo, não tenham nenhuma outra afiliação. O único requisito para ser membro é que exista um problema de adicção num parente ou amigo.

 

TRADIÇÃO QUATRO - Cada Grupo deveria ser autônomo, exceto em assuntos que afetem um outro Grupo, o Nar-Anon, ou o NA como um todo.

 

TRADIÇÃO CINCO - Cada Grupo Familiar Nar-Anon tem apenas um propósito: prestar ajuda a familiares de adictos. Fazemos isso praticando os Doze Passos do Nar-Anon, encorajando e compreendendo nossos parentes adictos, bem como acolhendo e proporcionando alívio a familiares de adictos.

 

TRADIÇÃO SEIS - Nossos Grupos Familiares Nar-Anon nunca deveriam endossar, financiar ou emprestar nosso nome a qualquer empreendimento de fora, para que problemas de dinheiro, propriedade e prestígio não nos desviem de nosso objetivo espiritual primordial. Embora sendo uma entidade separada, deveríamos sempre colaborar com Narcóticos Anônimos.

 

TRADIÇÃO SETE - Cada Grupo deveria ser totalmente auto-suficiente, recusando contribuições de fora.

 

TRADIÇÃO OITO - O trabalho do Passo Doze do Nar-Anon deveria sempre permanecer não profissional, mas nossos centros de serviço podem contratar funcionários especializados.

 

TRADIÇÃO NOVE - Nossos Grupos como tais, nunca deveriam ser organizados, mas podem criar juntas de serviço ou comitês diretamente responsáveis perante aqueles a quem prestam serviço.

 

TRADIÇÃO DEZ - Os Grupos Familiares Nar-Anon não opinam sobre questões de fora; portanto nosso nome jamais deveria ser envolvido em controvérsia pública.

 

TRADIÇÃO ONZE - Nossa política de relações públicas se baseia na atração, não na promoção; precisamos manter sempre o anonimato pessoal em nível de imprensa, rádio, filmes, internet e outras formas de comunicação de massa. Precisamos proteger, com o máximo cuidado, o anonimato de todos os membros de NA.

 

TRADIÇÃO DOZE - O anonimato é a base espiritual de todas as nossas Tradições, lembrando-nos sempre de colocar os princípios acima das personalidades.